Radio Atalaia FM Rio. Aperta o Play!


quarta-feira, 29 de abril de 2020

Rio de janeiro

Médica pede cautela em relação à liberação de testes de coronavírus em farmácias
Roberta França teme que resultados negativos incentivem postura irresponsável da população

Por Juliana Pimenta , Juliana Pimenta

Prefeitura de Niterói recebe os 50 mil testes que serão aplicados na cidade - Divulgação/Luciana Carneiro

Rio - Na manhã de ontem, a Anvisa liberou a venda e realização de testes de coronavírus em farmácias e drogarias. A decisão traz alento para a população que quer tirar dúvidas sobre o contágio da doença. Em contrapartida, a médica geriatra Roberta França faz questão de ver a aprovação dos testes com cautela. “Não adianta a população achar que vai na farmácia, comprar o teste, e levar para fazer em casa. O teste só pode ser feito na presença de um farmacêutico responsável. Até porque, em caso de positivo, é ele quem irá notificar o Ministério da Saúde que pedirá outro teste, como se fosse uma contraprova laboratorial“, pondera a profissional de saúde que diz que o teste é bem similar aos tipo mais comuns, como os costumam medir o nível de açúcar no organismo. “É um teste de sangue, uma picadinha no dedo como se fosse um exame de glicose, no qual você tem que aguardar de quinze a vinte minutos pelo resultado”, explica.

Roberta destaca ainda que não há unanimidade sobre os exames. “Ainda não têm estudos sobre a acurácia total do testes, alguns especialistas falam em torno de 86% de êxito nos resultados. Isso porque esses testes estão chegando agora, é tudo muito novo. Ainda estão sendo criados os protocolos e nem as farmácias têm acesso aos valores ainda”, destaca.

A médica ainda faz um apelo sobre para a mudança de postura dos cidadãos. “Talvez meu único receio seja a pessoa ir na farmácia fazer o teste, dar negativo e ela sair por aí sem cuidar do outro. Se você fizer o teste e hoje estiver negativo, ninguém te garante que amanhã você não vai estar doente. Ninguém pode sair por aí correndo o risco de se contagiar e contagiar os outros”, explica Roberta que alerta para o período ideal para a testagem. “Se a doença tiver nos primeiros dois ou três dias é muito provável que ela não se manifeste no teste. O ideal é aguardar do quinto ao sétimo dia de sintoma para a maior chance de ter um resultado mais correto”.

Por Juliana Pimenta , Juliana Pimenta ( O Dia)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem em destaque

Faça parte dos nossos encontros de Mulheres Vitoriosas .ADVEC Campinho RJ

  Nosso encontros têm sido cada vez mais especiais e marcantes. Estamos nos fortalecendo em Deus e, juntas, nos preparando para tudo o que ...